América Fora de Aerovia: Spirit Airlines

Compartilhe:

Receba notícias no seu celular, acesse o canal do OHM no Telegram

Vamos a mais um capítulo da versão estendida da série América Fora de Aerovia, hoje vamos contar a história da Spirit Airlines!

A história dela começa muitos anos antes, em 1983, com a fundação da Charter One, uma agência de turismo em Detroit, Michigan. O objetivo era oferecer pacotes turísticos de viagens, para lugares como Atlantic City, Las Vegas e as Bahamas. Em 1992, ela fez grandes mudanças: deixou de oferecer apenas pacotes, trouxe 5 Douglas DC-9-30 e o nome mudou para Spirit Airlines. E como agora era uma linha aérea, passou a oferecer voos de Detroit para Atlantic City e de Boston para Providence. Em 1993, começou a voar para diversos destinos na ensolarada Flórida. Nos anos seguintes, se expandiu para a Filadélfia e diversos outros locais a partir de Detroit.

Em 1999, ela mudou de sede, dos arredores de Detroit para Miramar, próximo a Miami, na Flórida. Nesse momento, já haviam chegado diversos DC-9 e MD-80.
No fim de 2001, voou pela primeira vez para fora dos EUA, para Porto Rico. No embalo, ela inaugurou todo um serviço em espanhol, incluindo sistemas de reservas e site em versão espanhol. Nos anos seguintes, ela continuou se expandindo para diversos locais da América Central e até mesmo o norte da América do Sul.

Entre 2004 e 2006, fez sua transição para o modelo de frota atual: saíram de cena os DC-9 e os MadDog’s (MD-80) e entraram os modernos modelos da família Airbus A320. Também em 2006, a empresa começou sua transição para um modelo Ultra Low Cost. A classe executiva foi descontinuada em prol de uma cabine totalmente em econômica e alguns assentos plus. Alguns serviços como check-in presencial, impressão do cartão de embarque, taxas maiores para excesso de bagagem, cobrança por despacho de bagagem e escolha de assentos começaram a serem cobrados, junto com a inclusão de propagandas dentro das aeronaves. E nesse processo, ela também se tornou a primeira companhia aérea a cobrar inclusive pela bagagem de mão.

O objetivo era que o passageiro pagasse apenas pelo que ele fosse usar, diferente de como ocorre nas demais empresas. Tudo isso se traduziu em mais crescimento e a chegada de mais aeronaves. Nessa época, as principais operações passaram a ser a partir de Fort Lauderdale. Todas essas mudanças e a adoção do modelo ultra low-cost trouxe prêmios, como o de companhia mais segura da América do Norte e uma das 10 mais seguras do mundo e a 2ª companhia mais pontual dos EUA, atrás apenas da Delta, em 2017.

Hoje, a empresa que é sinônimo de tarifas baixas (o que está escrito até na nacele dos motores de seus A319, A320 e A321), possui uma frota de 157 aeronaves, sendo 31 Airbus A319, 64 Airbus A320, 32 Airbus A320neo e 30 Airbus A321. E essa frota deve aumentar com os pedidos de 25 Airbus A319neo (sendo a primeira operadora do modelo nos Estados Unidos), 81 A320neo e 30 Airbus A321neo.

Gostou deste post? Por favor, compartilhe! Há muitas maneiras de fazer isso abaixo.

Você também pode me seguir no Twitter e Instagram ou ainda receber artigos diários assinando nossa newsletter clicando aqui.

22 anos, Belo Horizonte/MG. Apaixonado por aviação e viagens no geral, principalmente viagens aéreas. "A experiência faz pela alma o que a educação faz pela mente".