“Se eu sou defensor de alguma coisa, é de se mover. 

Pinturas especiais nos aviões Brasileiros – Parte 1


Receba notícias no seu celular, acesse o canal do OHM no Telegram

Olá pessoal! Geralmente, eu tô postando aqui sobre histórias de companhias aéreas (e isso vai continuar por algum tempo!), mas hoje vamos variar um pouco de história, assim, o assunto é pintura especial!

Todas as empresas aéreas possuem uma pintura padrão, geralmente pensada para economizar combustível (o que explica a maioria dos aviões serem brancos), ao mesmo tempo em que leva a o nome da empresa ao aerope criando uma identificação da marca a empresa. O que pode acontecer é uma empresa mudar de pintura e no meio do caminho, ficarem as cores antigas e novas voando juntas, porém toda regra tem uma exceção. E é o que acontece nesse caso.

Pinturas especiais nos aviões brasileiros - Parte 1
Um sticker especial de uma aeronave estrangeira que voa para o Brasil: este Airbus A330-900neo da TAP Portugal foi a aeronave de numero 100 na frota da empresa. Foto: John Taggart/Flickr

Os motivos que podem levar uma empresa a colocar um adesivo, algum dizer a mais na fuselagem, pintar parcialmente ou totalmente um avião de alguma forma diferente no padrão são os mais diversos possíveis. Vai de uma ação de publicidade, um ato de patriotismo, uma nova rota, um simbolo do país ou região que aquela companhia aérea pertence, um novo produto oferecido pela companhia ou mesmo um olhar ao passado. Ou até mesmo, no exemplo que citamos, repintar quase toda uma frota ou um modelo da frota (chamaremos de “sub-frota”) mas uma aeronave específica ficar na frota, e pode ir além.

Mas independente do estilo, as pinturas ou stickers chamam a atenção e se tornam o desejo de todos os que tem algum contato com a aviação, desde um passageiro comum que não sabe o que é um Boeing, um Airbus ou um Embraer e tudo pra ele é “avião” ou “um Boeing” (que após décadas de hegemonia na frota da aviação Brasileira desde os tempos de Varig, com uma forcinha da mídia, se tornou sinônimo de avião para o cidadão comum), passando por um entusiasta que está começando a descobrir as nuances da aviação, até os mais nerds, que sabem cada diferença e peculiaridade de cada aeronave específica (o que talvez, seja o meu caso). E mesmo que as pinturas sejam retiradas dos aviões, elas ficam no imaginário popular.

No Brasil, das 3 maiores companhias aéreas, todas tem ao menos uma aeronave com sticker ou pintura especial. Como não são poucas, vamos dividir o post em 2 partes: hoje, vamos falar das pinturas e stickers especiais nos aviões da Latam e da Gol e num outro dia (que será em breve!), falaremos só sobre a Azul, por que como vocês verão, ela precisa. Primeiro, vamos de Latam.

LATAM

A empresa paulista desde os tempos de TAM com seus Fokker 100 (ou seja, desde antes de eu nascer) tem tradição em fazer pinturas especiais. Ela já pintou avião especial de tudo que vocês podem imaginar: prêmio de numero 1, anúncio de museu, rotas novas, programa de fidelidade, retrojets, destinos, alianças (a Latam já foi da Star Alliance e da OneWorld) e até anúncio de Circo (ok, era o Cirque du Soleil, mas ainda é um Circo) e filme já viraram tema de pinturas ou stickers em várias de suas aeronaves.

No entanto, ao juntar a fusão com a chilena LAN, a deterioração da economia brasileira e a modernização de sua frota de longo curso, trocando os Airbus A330 e alguns Boeing 767 antigos por novos Boeing 767 vindos do Chile e os novíssimos e recém-lançados Airbus A350, tiraram bastante dessa tradição da empresa, mas não toda ela. Ela possui 4 aeronaves em sua frota que tem stickers ou cores especiais, mais uma exceção que vou contar no fim.

Pinturas especiais nos aviões brasileiros - Parte 1
Foto: Renato Spilimbergo Carvalho/Wikimedia Commons

A primeira delas é o Airbus A319 prefixo PT-TMA. Seria só mais um A319 recebido pela então TAM em 2009, só que ele foi a aeronave de número 4000 da família A320 a ser recebida por uma empresa aérea. Então, ganhou o sticker, que se localiza abaixo do logo da empresa.

Pinturas especiais nos aviões brasileiros - Parte 1
Foto: Eric Breno da Silva

A segunda é um outro Airbus A319, prefixo PT-TME, que veio na mesma encomenda do anterior. Nos primeiros 6 anos de sua vida útil, teve as cores padrão da TAM. Em 2016, por ocasião dos Jogos Olímpicos, realizados no Rio de Janeiro, a aeronave recebeu a missão de levar a tocha olímpica por todo o país. Assim, a aeronave recebeu uma pintura adequada para a ocasião. A olimpíada passou e ele voltou a ser só um dos A319 da Latam, até que pouco mais de 1 ano depois, recebeu outra pintura especial, dessa vez, mais parecida com um sticker, para divulgar a agência de viagens da Latam, a Latam Travel. Até hoje ele tem essa pintura, que pode ser vista por toda a fuselagem. Ele e o TMA podem ser vistos nas rotas da Ponte Aérea, em rotas ligando os hubs da Latam a cidades menores ou em rotas selecionadas.

Foto: Anna Zvereva/Wikimedia Commons

O terceiro é o único que de fato, tem uma pintura toda especial. O Boeing 777-300ER de matrícula PT-MUA já seria por si só um avião importante para a TAM e para a aviação brasileira. Ao mesmo tempo, quando chegou ao Brasil em 2008, estabeleceu 3 marcos importantes: era a maior aeronave já operada pela TAM (destronando o Airbus A340-500) e que seria útil no seu processo de expansão internacional, assumiu o título de maior aeronave comercial a operar no Brasil e a volta do Boeing 777 ao Brasil, já que a Varig havia operado o modelo, mas com a falência dela em 2006, nenhuma outra companhia o operava.

A aeronave voou por 11 anos, até que em 2019 a Latam resolveu modernizar seus 10 Boeing 777, para incluir uma cabine mais moderna e atual, sobretudo para os passageiros da classe executiva (que de assentos 2-3-2 e que não viravam camas, passariam a contar com cabines 1-2-1, que viram camas) e além disso, colocar nos Triple Seven a pintura da Latam – já que todos (exceto o PT-MUI que havia sido devolvido e realugado, e quando voltou, já voltou com as novas cores), tinham as cores da TAM, com as quais saíram da fábrica.

Na vez do PT-MUA, aproveitaram o trabalho e fizeram nele uma pintura especial, que faz alusão a um novo parque temático do Star Wars, no Walt Disney World em Orlando, se juntando a uma campanha com aeronaves de diversas empresas (como Virgin Atlantic e United Airlines). A aeronave pode ser vista em alguns voos internacionais de longo curso e alta densidade da Latam.

Foto: Eric Breno da Silva

O último deles é um Boeing 767 Cargueiro, o PR-ABB. A rigor, não é uma pintura projetada para ser especial, no entanto se tornou especial ao longo do tempo. A aeronave começou a operar em 1999 pela LAN Cargo. Durou 3 anos e em 2002 foi transferida para a divisão Brasileira da LAN Cargo, a ABSA Cargo. Recebeu a pintura padrão da ABSA e ao longo dos anos ganhou winglets. Com a compra da TAM e o lançamento da TAM Cargo, ambas foram unidas e a aeronave passou a ser da TAM Cargo, mas sem alteração na pintura. Depois, com a conclusão da fusão entre LAN e TAM, a aeronave passou a ser da LATAM Cargo, ainda sem alteração na pintura. Todas as outras aeronaves cargueiras foram aos poucos sendo repintadas no padrão LATAM Cargo e hoje o único que sobrou sem repintar foi o PR-ABB.

Foto: Rafael Luiz Canossa/Wikimedia Commons

A exceção fica por conta do PT-XPB, um A321 da Latam entregue em 2014 a então TAM. Em 2016, ele foi escolhido para receber o sticker da Oneworld, aliança que a Latam fazia parte. No entanto, no fim do ano passado, com a Delta comprando 20% da empresa, ela deixou a aliança. No entanto, essa aeronave continua tendo seu sticker da aliança, mas ele não durará muito tempo.

GOL

A Gol também teve alguma tradição em pinturas especiais, mas bem mais tímida, valendo-se bastante dos stickers (que apesar de não serem pinturas completas, também chamaram muito a atenção), embora também tivessem pinturas que tomavam todo o avião (quem nunca ouviu falar do PR-GUO, um 737-800 que foi todo grafitado e recebeu o jocoso apelido de bananão?). Hoje, a Gol possui 5 aeronaves com pinturas e stickers especiais, e quase todas ligadas ao patrocínio que a companhia dá a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Foto: Diego Alves/Flickr

O mais singelo de todos é o PR-GUH. Esse Boeing 737-800SFP foi entregue a Gol em Maio de 2011, e era o 2º Boeing 737-800SFP com o Sky Interior. Em 2013, por ocasião da Copa do Mundo, realizada no Brasil, a aeronave foi uma das 4 escolhidas para receber um sticker afirmando a empresa como Transportadora Oficial da Seleção Brasileira, na parte superior da fuselagem. Além disso, os motores foram pintados na cor laranja, mas isso não estava ligado a CBF: seria o padrão na frota da Gol dali em diante. Um tempo depois foi uma das 6 aeronaves a receber as Split Scimitar Winglets, juntamente com o PR-GUG, PR-GUI, PR-GUJ, PR-GUP e PR-GUT. Além de transportar a seleção, a aeronave fez o voo de ida do time do Flamengo para a final da Copa Libertadores de 2019, que ocorreu em Lima, onde o time brasileiro foi vitorioso.

Foto: Vicente Quezada Duran/JetPhotos

A partir daí as coisas vão ficando mais elaboradas. O PR-GUM, um outro Boeing 737-800SFP, a exemplo do PR-GUH, também recebeu uma pintura em alusão a CBF e a Seleção Brasileira, porém ela já ocupa uma boa parte da aeronave. Na parte inferior da fuselagem, estão as 5 estrelas simbolizando as 5 Copas do Mundo ganhas pelo Brasil (1958, 1962, 1970, 1994 e 2002) e no estabilizador vertical está o logo da CBF. Essa aeronave permanece especial até hoje, porém recebeu uma atualização do logo e das winglets para o novo padrão de pintura. Inclusive, nesse padrão, as winglets dele passaram a ser nas cores da bandeira, seguindo o restante do padrão da fuselagem.

Foto: Alexandro Dias/Flickr

Em 2017, a Gol trouxe mais uma aeronave especial para a “frota da seleção”, o PR-GUK. Dessa vez, a mais elaborada de todas as pinturas da CBF. A pintura, baseada no apelido da seleção de Canarinho, traz um desenho de canarinho em um fundo verde entre o fim da fuselagem e o estabilizador vertical (que como no GUM, também tem a logo da seleção) e os dizeres “Voa Canarinho” Além disso, próximo a porta e ao nariz traz os dizeres “Rumo ao Hexa”. A primeira versão da aeronave, que voou por 1 ano, era adesivada. Um ano depois o Canarinho foi pintado na aeronave e além disso o nariz recebeu o desenho de uma bola de futebol.

Foto: João Pedro Santoro/Foto cedida

Em 2018, por conta da parceria com a Rede Globo e com a NET, que trouxe para o entretenimento via wi-fi para as aeronaves, pintou um de seus 737-800 para comemorar o feito. O escolhido foi o PR-GTM, um Boeing 737-800SFP que está na frota desde abril de 2007. A aeronave é toda na cor laranja e possui desenhos e dizeres ao longo da fuselagem para anunciar a novidade aos passageiros. Sem dúvida, é um dos mais chamativos.

Foto: Robert Underwood/Wikimedia Commons

A 5ª aeronave especial entra quase no mesmo caso do PR-ABB da Latam. Se trata de um Boeing 737-700, prefixo PR-GEC. Desde que começou, a Gol adotou uma pintura bem simples, com o logo estilizado pintado em laranja no estabilizador vertical, o logo da empresa na seção frontal da fuselagem, próximo as portas dianteiras, o site da companhia e/ou o número da central de reservas. Anos depois, com a chegada dos primeiros 737-800 e 737-700 com winglets, eles ganharam um desenho muito parecido com o do estabilizador vertical.

No entanto, entre 2013 e 2014, a Gol fez a última atualização em sua pintura, antes de lançar uma nova pintura, em meados de 2015. Nela, foi incluída o + ao lado do nome da Gol e os motores, assim como as winglets e o estabilizador vertical, passaram a ser laranjas. Quase todas as aeronaves foram atualizadas para esse padrão, menos o PR-GEC. Ele permanece tendo os motores brancos e é a única aeronave a ter esse padrão.

Bom, terminamos por aqui a primeira parte dessa matéria, depois continuaremos com as aeronaves especiais da frota da Azul.

Gostou deste post? Por favor, compartilhe! Há muitas maneiras de fazer isso abaixo.

Você também pode me seguir no Twitter e Instagram ou ainda receber artigos diários assinando nossa newsletter clicando aqui.